Agendamento WhatsApp
Tour Virtual
Rua Quirino dos Santos, 72 - Barra Funda Tel: +55 11 3393 3030

Trabalhador poderá ter de bancar custos de processos contra o INSS

02/12/2019

O trabalhador pode arcar com despesas ao entrar com um processo judicial contra o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Para população de baixa renda, a gratuidade, porém, deve ser mantida.

Ao site Folha de São Paulo,  os Técnicos da equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmaram que o objetivo é reduzir a judicialização. Cerca de 15% dos benefícios pagos pelo INSS foram obtidos por via judicial.

Em geral, os casos mais comuns são aposentadorias especiais (trabalhadores expostos a agentes nocivos), BPC (benefício pago a idosos carentes e pessoas com deficiência) e aposentadoria rural, que geralmente atendem os mais pobres.

Atualmente, os gastos com um processo judicial são pagos pelo governo (União ou Estados). O grupo do Governo Federal propõe que, se a pessoa tiver renda suficiente, irá arcar com os custos de uma ação contra a Previdência Social, caso a Justiça decida contra o autor do processo.

Para alteração nas regras será necessário que seja aprovado um projeto de lei no Congresso. A palavra final, portanto, é de deputados e senadores.

A medida divulgada faz parte do pacote de iniciativas para estimular a economia e a criação de vagas de trabalho, denominado de Emprego Verde e Amarelo, que reduz os encargos na contratação de mão de obra.

Vale lembrar que o fim da gratuidade em ações contra o INSS deve deixar de fora os mais pobres. A ideia do governo é isentar quem não tem condições de pagar pelo processo judicial.

O governo propõe que famílias com renda mensal de até três salários mínimos (R$ 2.994) não seriam cobradas. O mesmo valeria para famílias com renda mensal per capita (por pessoa) de até meio salário mínimo, no valor de R$499.

A medida de cobrança de custos de quem tiver o processo previdenciário negado pela Justiça só deve valer para quem ingressar com as ações após o aval do Congresso.

A ideia do projeto é do ex-deputado federal e atual secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho. Ele é um dos principais articuladores políticos da gestão Bolsonaro.

Fonte: Notícias Concursos 

As notícias publicadas e reproduzidas nessa plataforma são de inteira responsabilidade de seus atores (citados na fonte). Dessa forma, os mesmos não traduzem necessariamente a opinião da Advocacia Trabalhista Borges.