Agendamento WhatsApp
Tour Virtual
Rua Quirino dos Santos, 72 - Barra Funda Tel: +55 11 3393 3030

Experimento choca ao mostrar preconceito no mercado de trabalho

13/12/2019

Para mostrar o preconceito no mercado de trabalho, uma universidade e uma agência de publicidade fizeram um experimento. Chamaram os profissionais mais renomados em suas áreas, trocaram seus nomes e enviaram seus currículos para 52 vagas.

Absolutamente nenhum deles foi chamado. Não foram contatados nem mesmo para entrevista.

Por quê? Para a Diak (Diaconia University of Applied Science) e a agência TBWA\Helsinki, que realizaram a experiência na Finlândia, a resposta está nos nomes escolhidos: típicos de ciganos.

“Os ciganos são a minoria mais discriminada da Finlândia”, informa o vídeo, que traz o passo a passo do experimento. Muitos estão mudando seus nomes para vencer o preconceito no mercado de trabalho e conseguir uma oportunidade.

Para fazer com que a maioria encarasse essa realidade, foram convidados para a experiência alguns experts: um guru de negócios, uma personalidade de TV, uma chefe de cozinha e um colunista. Todos renomados em suas áreas de atuação.

“Eu sabia que isso aconteceria. Mas, agora que aconteceu, isso realmente fere”, disse o colunista, referindo-se à falta de contato das empresas que receberam seu currículo.

A chefe de cozinha questionou: “Se você nem sequer consegue uma entrevista, como pode mostrar suas habilidades e seus talentos?”.

A experiência foi divulgada, ganhou as páginas de jornais e repercutiu nas redes sociais. Diante da denúncia, os empregadores resolveram agir para mudar o sistema.

Algumas empresas resolveram tirar a necessidade de informar nome, idade e gênero de suas seleções. Ou seja, adotaram um recrutamento anônimo.

O governo também incluiu a seleção sem nome em seu programa de reformas para combater o preconceito no mercado de trabalho.

 

Fonte: Catraca Livre 

As notícias publicadas e reproduzidas nessa plataforma são de inteira responsabilidade de seus atores (citados na fonte). Dessa forma, os mesmos não traduzem necessariamente a opinião da Advocacia Trabalhista Borges.