Agendamento WhatsApp
Tour Virtual
Rua Quirino dos Santos, 72 - Barra Funda Tel: +55 11 3393 3030

Entregadores de aplicativos iniciam mobilização por melhores condições de trabalho

14/02/2020

São Paulo – A situação dos entregadores de aplicativos foi tema de debate na sede da CUT em Brasília, nesta quinta-feira (13). A central calcula que o Brasil já tem cerca de 5,5 mil destes trabalhadores, que exercem a atividade sem terem patrão, mas também sem direitos. As principais reivindicações apresentadas foram a criação de pontos de apoio, melhoria no valor do frete pago pelas operadoras e a criação de vínculo com a empresa. Também foram discutidas a necessidade de uma linha de crédito subsidiado para compra de moto ou bicicleta, a manutenção do veículo usado para as entregas e seguro de vida e de acidente.

“Nessa reunião aqui na CUT nossa principal reivindicação é sobre os pontos de apoio. É  um ponto de descanso, onde a gente pode esquentar nossa comida, carregar nosso celular pra continuar a trabalhar. Também importante é o aumento do frete fixo, uma taxa de seguro, uma taxa de manutenção do veículo e também a criação de vínculo com a empresa”, afirma o entregador Pedro Viana. 

“Nosso trabalho é muito esforçado, exige muito da gente mesmo. E hoje o que a gente mais busca reivindicar com essas plataformas é o reconhecimento do nosso trabalho”, completa o também entregador de aplicativo Alessandro Conceição à repórter Camila Piacesi, da TVT.

Trabalhar por aplicativo tem sido a única solução para milhares e brasileiros fugirem do desemprego. De olho apenas na renda mensal imediata, esses trabalhadores, em geral muito jovens, enfrentam sol, chuva, calor, frio e o dia a dia do trânsito das cidades do país, sem nenhuma garantia de manutenção de renda em caso de acidentes, além de sem direito a férias, descanso semanal remunerado, FGTS, 13˚ salário e outros direitos garantidos aos trabalhadores contratados formalmente. 

“Eu estava como muita dificuldade pra encontrar um emprego fixo e o aplicativo me ajudou. Tá me sustentando até mais que o emprego, que ganhava só um salário mínimo”, conta Gabriela Santana, entregadora.

Para que ocorra as melhorias nas condições de trabalho, os entregadores pedem mobilização e unidade da categoria. “A genta agora já passou da irritação, agora já é um pedido de socorro, mesmo. A gente já sofre nas ruas, sofre preconceito, sofre diariamente com os preços baixos, com o banimento arbitrário – as empresas desligam a gente do nada – e está insatisfeito com isso. Tem que prezar nossa união pra conseguir reivindicar melhorias e, quem sabe, vai melhorar o nosso meio de trabalho”, diz Pedro Viana.

 

Fonte: Rede Brasil Atual

As notícias publicadas e reproduzidas nessa plataforma são de inteira responsabilidade de seus atores (citados na fonte). Dessa forma, os mesmos não traduzem necessariamente a opinião da Advocacia Trabalhista Borges.