Startup ajuda quem tem mais de 50 anos a voltar ao mercado de trabalho

10/10/2017

Um negócio inovador procura recolocar no mercado quem tem mais de 50 anos e tem muita dificuldade para voltar a trabalhar. É um exemplo de startup social, um empreendimento que, além do lucro, quer gerar impacto positivo na sociedade.
Segundo a Yunus Negócios Sociais, os recursos disponíveis para empresas que trabalham em setores de impacto social aumentaram no país. “O que é importante é que o principal motor daquela atividade seja beneficiar uma pessoa que não estaria sendo beneficiada se aquele negócio não existisse”, explica Luciano Gurgel, gestor da empresa.

Mórris Litvak é um dos empreendedores atentos a esse mercado. A inspiração dele foi a avó, que trabalhou até os 82 anos: “Só que um dia, indo para o trabalho, ela caiu na calçada, se machucou e a saúde dela foi ladeira abaixo. Ela não planejou, não queria parar, mas de um dia pro outro passou a ficar em casa o dia inteiro sem fazer nada”.

Para outras pessoas não enfrentarem essa realidade, Mórris e a sócia Stephanie Nakamura Ruas criaram oportunidades para o público que eles chamam de “50 mais”. “Por que as pessoas vão parar de trabalhar aos 50 anos se elas vão viver até os 100? Então, essa maior longevidade vai transformar as relações de trabalho”, afirma Stephanie.

Funciona assim: o candidato à recolocação faz a inscrição e quem precisa de um funcionário com o perfil divulga a vaga. O site, que está no ar desde 2016 e tem 50 mil pessoas cadastradas, conecta as duas pontas.

Uma empresa que presta assistência para idosos, por exemplo, resolveu criar um programa de contratação de funcionários com mais de 50 anos para atender aos cliente, que têm, em média, 80 anos de idade. Deu certo: a experiência de vida e o conhecimento desses profissionais melhoram o atendimento.

“Nós vimos que os clientes ficam mais satisfeitos ao perceber que do outro lado da linha existem pessoas que sabem ouvir mais, que sabem entender a situação do nosso cliente. Esse foi um dos motivos que fez com que a gente fosse buscar essas pessoas mais velhas”, afirma o dono da empresa, José Carlos Vasconcellos.

A atendente Susy Bradis, de 54 anos, chegou na empresa pelo site. Ela estava há cinco anos fora do mercado, mas precisou voltar a trabalhar: “Comecei a procurar vagas de recepção, secretária e quando eu vi a vaga de monitoria de atendimento a idoso, eu me interessei bastante, porque é uma coisa que eu já tinha prática de fazer”.

Mórris fatura cobrando das empresas pelo anúncio das vagas no site, em média R$ 400 por mês, e também por alguns cursos e palestras, que ficam entre R$ 600 e R$ 700. São treinamentos, presenciais e online, com atualização tecnológica que ajuda na recolocação, empreendedorismo e até autoconhecimento.

A startup também promove encontros de networking, porque além de gerar vagas de emprego, o objetivo da empresa é criar oportunidades e novas possibilidades para quem tem mais de 50 anos.

 

Fonte: G1