Bradesco é condenado a pagar R$ 800 mil por condições de trabalho

16/02/2018

O banco Bradesco foi condenado a pagar 800 mil reais por danos coletivos, por conta da falta de avaliação ergonômica de trabalho. A falha expunha os funcionários ao risco de lesões por esforços repetitivos, afirma o Ministério Público do Trabalho.

O caso passou a ser investigado pelo procurador José Fernando Ruiz Maturana depois que ele recebeu denúncias encaminhadas pelo Sindicato dos Bancários de Bauru. O sindicato dizia que o Bradesco estava deixando de emitir omunicações de acidente de trabalho nos casos de suspeita de doença ocupacional.

A partir de depoimentos e vistorias nos locais de trabalho, o MPT concluiu que havia problemas na análise dos locais de trabalho. “Salta aos olhos que o documento produzido pelo banco não aborda a organização do trabalho, descarta a possibilidade de manifestação dos trabalhadores e não avalia a real condição de trabalho, afrontando a legislação de regência”, afirmou Maturana.

A sentença foi dada pela juíza Ana Cláudia Pires Ferreira de Lima, da 1a Vara do Trabalho de Bauru, SP. A juíza também determinou que o banco realize análise ergonômica de trabalho em agências e postos de atendimento da cidade de Bauru. A análise deve compreender o exame de mobiliários e adequação dos equipamentos e o exame da conduta real de trabalho dos empregados.

A obrigação deve ser cumprida no prazo de 60 dias úteis, a partir da intimação da sentença, sob pena de multa diária de R$ 2 mil, reversível ao FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador).

Procurado, o Bradesco informou que não irá comentar o caso.

 

Fonte: Exame